Notícia do jornal "O Estado de São Paulo" de 11 de julho de 2005

http://www.estadao.com.br/internacional/noticias/2005/jul/11/19.htm

ONU discute a expansão do Conselho de Segurança

Nova York - A Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) se reúne nesta segunda-feira em Nova York para discutir a proposta do G4 (Brasil, Alemanha, Japão e Índia) de expansão do Conselho de Segurança de 15 para 25 membros. Depois de meses de intensas consultas com os 191 países da ONU o G4 apresentou, na última sexta-feira, o projeto de resolução ao secretariado da Assembléia Geral.

O embaixador brasileiro na ONU, Ronaldo Sardenberg, deverá defender a proposta que prevê a criação de seis vagas permanentes, além de outras quatro não permanentes. Atualmente, o conselho é composto por cinco membros permanentes com direito a veto: Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Rússia e China. Além deles, dez outros países exercem mandatos de dois anos como membros não permanentes.

De acordo com um diplomata brasileiro, o objetivo do G4 é votar ainda nesta semana a resolução que não inclui os países candidatos a ocupar as vagas permanentes. Depois de aprovada a primeira resolução, o grupo apresentaria os nomes dos países candidatos. Se tudo der certo, eles poderão ser votados pela Assembléia Geral ainda em julho.

Mas para atingir seu objetivo, o G4 terá que superar uma série de obstáculos. O primeiro é chegar a uma proposta comum com os países membros da União Africana, que também deseja a criação de seis vagas permanentes, mas tem insistido na prerrogativa do direito de veto para os novos membros do Conselho. Representando 53 países, a União Africana detém cerca de um quarto dos 191 votos da Assembléia Geral. Para ser aprovada, qualquer resolução precisa do apoio de dois terços, ou 128 votos do plenário.

O segundo obstáculo é a proposta do grupo "Unidos pelo Consenso", formado por países como Itália, Argentina, Paquistão e México. Esses países se opõem à introdução de novos membros permanentes e propõem a criação de dez vagas não permanentes.

Mesmo que consigam vencer todos os obstáculos na Assembléia Geral, o G4 ainda precisaria convencer Estados Unidos e China a não vetarem a resolução. Qualquer emenda aos estatutos da ONU precisa ser ratificada pelos atuais cinco membros permanentes do Conselho. Até agora, os Estados Unidos só apóiam a candidatura do Japão. A China, que tem condenado duramente a candidatura japonesa, tem declarado que uma expansão do Conselho seria “perigosa” para a estabilidade mundial.

 

Comentário: (clique sobre os textos em destaque par a mais informações)

Atualmente, ocupam estas 5 cadeiras EUA, Rússia, China, Reino Unido e França. Os outros 10 membros são rotativos pelo período de 2 anos (clique aqui para mais detalhes). Desde novembro de 2004, vários países começaram a se manifestar para que este número de cadeiras seja aumentado. A ONU, então, criou um projeto de expandir suas cadeiras fixas do Conselho de Segurança de 5 para 10 membros. Como tudo na ONU se decide por meio de eleições, existem duas chapas de projeto:

  • O G-4, formado por Brasil, Índia, Alemanha e Japão, que propõe a criação de seis novos assentos permanentes no Conselho: neste caso, os membros com cadeiras permanentes passariam de 5 para 11;
  • O grupo o grupo União Para o Consenso, liderada por Paquistão, Itália e Argentina, que propõe a criação de dez novos membros rotativos, não permanentes, para o órgão: neste caso, os membros com cadeiras fixas continuariam sendo 5, só que os membros rotativos aumentariam de 10 para 20.

Percebam que a proposta do G-4 praticamente cumpre a profecia bíblica.Ora, ao se expandir de 5 para 11 cadeiras fixas, estes 11 líderes mundiais definirão o futuro da segurança mundial. Não sabemos qual projeto vencerá, mas fato éque a Bíblia prevê 10 reis sob o comando do anticristo.

Então porque 11 cadeiras permanentes? Esta cadeira de número 11 será o anticristo governando os dez reis(as outras 10 cadeiras). Todo conselho tem que ter um líder e ,sem sombra de dúvida, o próximo passo da ONU após a expansão das cadeirasserá estabelecer um líder para o Conselho de Segurança.A Bíblia prevê exatamente este ambiente de onde surgirá o anticristo. Veja o que a Palavra nos diz:

  • Daniel 7:7-8
    "Depois disto, eu continuava olhando, em visões noturnas, e eis aqui o quarto animal, terrível e espantoso, e muito forte, o qual tinha grandes dentes de ferro; ele devorava e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele, e tinha dez chifres. Eu considerava os chifres, e eis que entre eles subiu outro chifre, pequeno, diante do qual três dos primeiros chifres foram arrancados; e eis que neste chifre havia olhos, como os de homem, e uma boca que falava grandes coisas."
  • Daniel 7:24
    "Quanto aos dez chifres, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o quál será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis."
  • Apocalipse 17:12
    "Os dez chifres que viste são dez reis, os quais ainda não receberam o reino, mas receberão autoridade, como reis, por uma hora, juntamente com a besta."

Notem que, em Daniel 7:8, o chifre menor representa o anticristo governando os outros dez reis. Em Daniel 7:24, o Espírito Santo revela ao profeta Daniel que o anticristo governará estes dez reis e ainda matará a três reis que se rebelarão contra ele.

Em Apocalipse 17:12 João tem a mesma revelação do anticristo (a besta) governando dez outros líderes mundiais. Por isto, há um fortíssimo indício de que o anticristo despontará como líder mundial de dentro da ONU.

Vale lembrar também que poderemos até conhecer quem será o anticristo despontando como líder do Conselho de Segurança da ONU, mas quando ele despontar como governador mundial, já estaremos arrebatados e para sempre vivendo com o Senhor Jesus! Maranata!

Fiquemos atentos para as próximas notícias em relação a este assunto.

Estude mais sobre o papel da ONU no final dos tempos clicando aqui.

Estude os sinais do fim dos tempos clicando aqui.

Notícias anteriores relacionadas ao mesmo tema:

04/06/2005 - Países neutros mediarão reforma no Conselho de Segurança

02/06/2005 - China declara "perigosa" ampliação do Conselho da ONU

Últimas Notícias

1