Notícia da BBC Brasil de 4 de junho de 2005

http://www.bbc.co.uk/portuguese/reporterbbc/story/2005/06/050603_angelaonudtl.shtml

Países neutros mediarão reforma no Conselho de Segurança

O presidente da Assembléia Geral da ONU, Jean Ping, apontou Holanda, Panamá e Liechtenstein para mediarem as negociações pela reforma do Conselho de Segurança da organização.

Os três países irão intermediar as conversas entre o G-4 – grupo formado por Brasil, Índia, Alemanha e Japão, que propõe a criação de seis novos assentos permanentes no Conselho – e o grupo União Para o Consenso, liderada por Paquistão, Itália e Argentina, que propõe a criação de dez novos membros rotativos, não permanentes, para o órgão.

Ainda desta sexta-feira, Ping, que representa o Gabão na ONU, deverá apresentar à Assembléia Geral um esboço para reforma ampla das Nações Unidas, incluindo áreas como desenvolvimento, paz e segurança, direitos humanos, cumprimento da lei e o fortalecimento da ONU.

Ping disse à imprensa que acredita ser possível obter um acordo entre o G-4 e a União Para o Consenso quanto às mudanças no Conselho de Segurança até o próximo dia 21 de junho.

Acordo: Diante da disputa sobre a reforma do Conselho, o esboço de Ping para mudanças no órgão deverá apenas representar os modelos defendidos pelo G-4 e pela União Para o Consenso. Caso o acordo seja obtido, a Assembléia Geral votaria sobre a reforma do Conselho até o fim de julho.

Entretanto, segundo um membro do G-4 ouvido pela BBC Brasil, se o impasse prevalecer, Brasil, Índia, Alemanha e Japão deverão apresentar sua própria resolução à Assembleia Geral ainda em junho, para uma primeira votação aberta. Para que sua resolução seja aprovada, o G-4 necessita da adesão de pelo menos 128 países ou dois terços dos 191 membros da ONU. Além disso, o G-4 necessita também do apoio – ou abstenção – dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança: Estados Unidos, Grã-Bretanha, França, Rússia e China.

Pressão: O veto de apenas um deles anularia a resolução. Recentemente o governo chinês declarou que considera as aspirações do G-4 “perigosas”. Segundo um diplomata europeu ouvido pela BBC Brasil, a China “tem exercido uma tremenda pressão sobre os países que passaram a apoiar abertamente o G-4”.

O governo de Pequim tem se oposto abertamente à pretensão do Japão de integrar o Conselho de Segurança. A reportagem apurou também que o governo brasileiro tem realizado reuniões bilaterais com o governo chinês para tentar mudar sua posição sobre o G-4. Durante a recente visita do presidente chinês, Hu Jin Tao, ao Brasil, a China declarou seu apoio à candidatura brasileira ao Conselho de Segurança. Em troca, o governo de Luiz Inácio Lula da Silva prometeu reconhecer a China como uma economia de mercado.

 

Comentário: (clique sobre os textos em destaque par a mais informações)

Atualmente, ocupam estas 5 cadeiras EUA, Rússia, China, Reino Unido e França. Os outros 10 membros são rotativos pelo período de 2 anos (clique aqui para mais detalhes).Desde novembro de 2004, vários países começaram a se manifestar para que este número de cadeiras seja aumentado. A ONU, então, criou um projeto de expandir suas cadeiras fixas do Conselho de Segurança de 5 para 10 membros. Como tudo na ONU se decide por meio de eleições, existem duas chapas de projeto:

  • O G-4, formado por Brasil, Índia, Alemanha e Japão, que propõe a criação de seis novos assentos permanentes no Conselho: neste caso, os membros com cadeiras permanentes passariam de 5 para 11;
  • O grupo o grupo União Para o Consenso, liderada por Paquistão, Itália e Argentina, que propõe a criação de dez novos membros rotativos, não permanentes, para o órgão: neste caso, os membros com cadeiras fixas continuariam sendo 5, só que os membros rotativos aumentariam de 10 para 20.

Percebam que a proposta do G-4 praticamente cumpre a profecia bíblica.Ora, ao se expandir de 5 para 11 cadeiras fixas, estes 11 líderes mundiais definirão o futuro da segurança mundial. Não sabemos qual projeto vencerá, mas fato éque a Bíblia prevê 10 reis sob o comando do anticristo.

Então porque 11 cadeiras permanentes? Esta cadeira de número 11 será o anticristo governando os dez reis(as outras 10 cadeiras). Todo conselho tem que ter um líder e ,sem sombra de dúvida, o próximo passo da ONU após a expansão das cadeirasserá estabelecer um líder para o Conselho de Segurança.A Bíblia prevê exatamente este ambiente de onde surgirá o anticristo. Veja o que a Palavra nos diz:

  • Daniel 7:7-8
    "Depois disto, eu continuava olhando, em visões noturnas, e eis aqui o quarto animal, terrível e espantoso, e muito forte, o qual tinha grandes dentes de ferro; ele devorava e fazia em pedaços, e pisava aos pés o que sobejava; era diferente de todos os animais que apareceram antes dele, e tinha dez chifres. Eu considerava os chifres, e eis que entre eles subiu outro chifre, pequeno, diante do qual três dos primeiros chifres foram arrancados; e eis que neste chifre havia olhos, como os de homem, e uma boca que falava grandes coisas."
  • Daniel 7:24
    "Quanto aos dez chifres, daquele mesmo reino se levantarão dez reis; e depois deles se levantará outro, o quál será diferente dos primeiros, e abaterá a três reis."
  • Apocalipse 17:12
    "Os dez chifres que viste são dez reis, os quais ainda não receberam o reino, mas receberão autoridade, como reis, por uma hora, juntamente com a besta."

Notem que, em Daniel 7:8, o chifre menor representa o anticristo governando os outros dez reis. Em Daniel 7:24, o Espírito Santo revela ao profeta Daniel que o anticristo governará estes dez reis e ainda matará a três reis que se rebelarão contra ele.

Em Apocalipse 17:12 João tem a mesma revelação do anticristo (a besta) governando dez outros líderes mundiais. Por isto, há um fortíssimo indício de que o anticristo despontará como líder mundial de dentro da ONU.

Vale lembrar também que poderemos até conhecer quem será o anticristo despontando como líder do Conselho de Segurança da ONU, mas quando ele despontar como governador mundial, já estaremos arrebatados e para sempre vivendo com o Senhor Jesus! Maranata!

Fiquemos atentos para as próximas notícias em relação a este assunto.

Estude mais sobre o papel da ONU no final dos tempos clicando aqui.

Estude os sinais do fim dos tempos clicando aqui.

Notícias anteriores relacionadas ao mesmo tema:

02/06/2005 - China declara "perigosa" ampliação do Conselho da ONU

Últimas Notícias

1