A IGREJA DE PÉRGAMO - A IGREJA DO ESTADO (312 - 606 d.C)
Apocalipse 2:12-17
(cont.)

"Ao anjo da igreja em Pérgamo escreve: Estas coisas diz aquele que tem a espada de dois gumes:"
Aqui Jesus se refere a si mesmo como sendo a Palavra de Deus. Ele assim se revela por causa do pecado de contaminação sofrido pela Igreja de Pérgamo, que somente se solucionaria aplicando a genuína Palavra.

"Conheço o lugar que habitas, onde está o trono de Satanás..."
Satanás possui um trono. Jesus diz duas vezes que o trono de Satanás se localizava na cidade de Pérgamo. O trono de Satanás é rotativo, ou seja, sempre se situará na nação, continente ou cidade onde ele consegue estabelecer seu poderio de destruição. O trono de Satanás já esteve no Egito, na Babilônia; sempre em lugares onde encontra legalidade para agir. No caso de Pérgamo, a legalidade estava na idolatria excessiva da cidade. Segundo o satanismo moderno, hoje o trono de Satanás estaria situado nos Estados Unidos, porque é a nação mais rica do mundo e aos poucos está deixando de ser um país de maioria cristã para se voltar à práticas de Nova Era e bruxaria.

"e que conservas o meu nome e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha testemunha, meu fiel, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita."
Jesus elogia a Igreja de Pérgamo por resistir e pagar um preço alto, mesmo se situando no local onde Satanás tinha o seu trono. Do ponto de vista de doutrina, os membros da Igreja de Pérgamo eram puros. O problema surgiu nas práticas pagãs que foram sendo assimiladas pelos membros mesmo que inconscientemente, provocando a contaminação. Obviamente, Satanás jamais quer ser percebido ao longo da história como sendo o responsável pela contaminação. Quanto a Antipas, nada se sabe de dados históricos a respeito desta pessoa.

"Tenho, todavia, contra ti algumas coisas, pois que tens aí os que sustentam a doutrina de Balaão, o qual ensinava a Balaque a armar ciladas diante dos filhos de Israel para comerem coisas sacrificadas aos ídolos e praticarem a prostituição."
Aqui Jesus evidencia que, apesar da Igreja de Pérgamo ter uma doutrina correta, suas práticas eram todas condenáveis à luz da Bíblia.

Em Números 22:31, A Bíblia nos diz quem é Balaão - homem ganancioso, que tentou profetizar uma maldição contra o povo de Israel. Balaque, rei de Moabe, o contratou para usar seus dons proféticos contra o povo de Deus. O resultado foi inusitado: Deus usa Balaão para bendizer Israel e não amaldiçoar. Balaão, desesperado, sugere por fim a Balaque uma aliança entre Israel e Moabe, fazendo com que os israelitas de casassem com mulheres moabitas, o que era condenado por Deus (Deuteronômio 7:1-6). É neste ponto que reside a contaminação e por isto Balaão é citado neste versículo.

"Outrossim, também tu tens os que da mesma forma sustentam a doutrina dos nicolaítas."
A palavra "nicolaíta" vem da junção de duas palavras gregas:

  • niko - conquistador
  • laos - povo

Significa, então, que o objetivo dos nicolaítas era conquistar o povo, centrar os princípios da igreja nos homens, e não em Deus. Os nicolaítas praticavam a sensualidade, separando completamente a natureza física da espiritual, abrindo falsa justificativa para, ao mesmo tempo se poder pecar livremente, e estabelecer uma hierarquia eclesiástica dentro da igreja. Ao contrário da Igreja de Éfeso, a Igreja de Pérgamo se deixou levar por esta doutrina pagã.

"Portanto, arrepende-te; e, se não, venho a ti sem demora e contra eles pelejarei com a espada de minha boca."
Este é o conselho de Cristo para a Igreja de Pérgamo: arrepender-se imediatamente. É o princípio de arrependimento tanto ao nível de Igreja como no nível individual. O conselho de Jesus aqui reflete o que está em 1 Coríntios 11:31:

"Porque, se nos julgássemos a nós mesmos, não seríamos julgados."

Em outras palavras, se nos examinássemos a nós mesmos constantemente, não correríamos o risco de sermos julgados por Deus, porque estaríamos sempre nos vigiando para não sairmos do centro da vontade de Deus.

"Quem tem ouvidos para ouvir, ouça: Ao vencedor, dar-lhe-ei do maná escondido, bem como lhe darei uma pedrinha branca, e sobre essa pedrinha escrito um nome novo, o qual ninguém conhece, exceto aquele que o recebe."
Este é o desafio de Cristo à Igreja de Pérgamo. Jesus se dirige aos vencedores (1 João 5:4):

"porque todo o que é nascido de Deus vence o mundo; e esta é a vitória que vence o mundo: a nossa fé."

Jesus dá aos vencedores o maná escondido e uma pedrinha branca. O maná era o alimento espiritual que Deus enviava a Israel no deserto. O maná escondido representa o alimento espiritual que vem pela Palavra de Deus. Neste versículo Jesus diz claramente que somente os vencedores têm tal direito, ou seja, este maná é individual, não coletivo.

Sobre a pedrinha branca, o significado é um pouco mais complexo: a cor branca na Bíblia significa a justiça de Deus. Nos tempos antigos, nos tribunais, quando alguém era julgado, o jurado deixava cair uma pedra branca para dizer que absolvia o réu de qualquer culpa. Da mesma forma, como em Romanos 5.1, somos justificados pela fé e absolvidos eternamente de toda culpa através da salvação em Jesus Cristo. A pedrinha branca aqui é um símbolo que representa a absolvição da culpa gerada pelo pecado mediante a salvação em Cristo Jesus.

 

Índice do Estudo do Livro de Apocalipse