A IGREJA DE ESMIRNA - A IGREJA PERSEGUIDA (100 - 312 d.C)
Apocalipse 2:8-11

  1. Ao anjo da igreja em Esmirna escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi morto e reviveu:
  2. Conheço a tua tribulação e a tua pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que dizem ser judeus, e não o são, porém são sinagoga de Satanás.
  3. Não temas o que hás de padecer. Eis que o Diabo está para lançar alguns de vós na prisão, para que sejais provados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até a morte, e dar-te-ei a coroa da vida.
  4. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz ó igrejas. O que vencer, de modo algum sofrerá o dano da segunda morte.

A cidade de Esmirna foi fundada em cerca de 3 a.C. por Alexandre Magno. A cidade era considerada o centro comercial da Ásia menor e se situava como ponto estratégico da rota direta de todo comércio que fluía entre Roma, Pérsia e Índia. Portanto, a cidade era considerada muito rica na época em que sua igreja é citada no livro de Apocalipse.

Perfil da Igreja de Esmirna

Historicamente falando, pouco se sabe sobre a Igreja de Esmirna, mas o que se sabe ao certo é que foi uma igreja que permaneceu fiel em meio à perseguição implacável dos imperadores romanos.

Comparando a igreja de Esmirna com os períodos históricos pelos quais passou a igreja de Jesus Cristo, ela corresponde ao período de 100 a 312 d.C. (clique aqui para detalhes), quando sofreu intensa perseguição dos imperadores romanos que tinham o objetivo de banir o Cristianismo da face da terra. Foi talvez a maior perseguição sofrida pela Igreja de Jesus Cristo até os dias de hoje. Atribui-se, então, à igreja de Esmirna o título de igreja perseguida.

Revela-se aqui, a primeira estratégia de Satanás para freiar e destruir o Cristianismo: a perseguição. No período de 30 d.C. a 100 d.C., vimos através da igreja apostólica, representada pela igreja de Éfeso, que ela era eficiente: pregou o evangelho por toda a Ásia, era fiel a Cristo. Os membros amavam mais a Cristo do que suas próprias vidas - uma lição para a igreja atual!

Porém, Satanás aprendeu que quanto mais perseguia a igreja, mais ela crescia! Portanto, a estratégia da perseguição falhou, de início. Veremos, no estudo sobre a igreja de Pérgamo, que Satanás muda sua estratégia e infelizmente dá um golpe de mestre no Cristianismo: ele contamina a igreja Cristã, através do imperador Constantino, que se declarou cristão, mas fundiu as religiões politeístas (vários deuses) greco-romanas com o Cristianismo.

Tamanha era a perseguição sofrida no período representado pela igreja de Esmirna que a Igreja de Jesus Cristo sofreu oito dos dez períodos de perseguição por parte dos imperadores romanos. A tabela abaixo mostra que, fora os imperadores Nero e Domiciano, todos os outros perseguiram a Igreja de Jesus Cristo entre 100 e 312 d.C:

Nero

54-68 d.C.

Decapitou Paulo e crucificou Pedro

Domiciano

81-96 d.C

Exilou João na ilha de Patmos

Trajano

98-117 d.C.

 

Marco Aurélio

161-180 d.C.

 

Severo

193-211 d.C.

 

Maximino

235-238 d.C.

 

Décio

249-251 d.C.

 

Valeriano

253-260 d.C.

 

Aureliano

270-275 d.C.

 

Diocleciano

284-305 d.C.

 

Fonte: Apocalipsis sin velo. Autor: Tim Lahaye. Editorial Vida, 2000.

Apenas para se ter uma idéia de como Satanás usava os imperadores para matar cristãos, citaremos algumas atrocidades cometidas no período:

  • Nero fazia "cristãos-tocha", ou seja, amarrava cristãos em mastros no jardim de seu palácio e os queimava vivos em público
  • A maioria dos imperadores levaram centenas de cristãos à arena do anfiteatro de Roma para serem devorados por leões, o que era visto pela cidade toda como platéia
  • Diocleciano foi considerado o maior opositor do cristianismo. Ele assinou um decreto para se eliminar as escrituras bíblicas da face da terra. Muitas cidades faziam cerimônias públicas para incineração das primeiras Bíblias
  • Alguns dos imperadores queimavam cristãos em fogueiras
  • Outros eram ainda mais sanguinários: cubriam cristãos com peles de animais e os lançavam aos cães selvagens, que os devoravam até a morte.

Entretanto, nem assim Satanás conseguiu impedir a Igreja de Jesus Cristo de crescer.

 

Índice do Estudo do Livro de Apocalipse