Apocalipse 11:1-14 - A pregação das duas testemunhas

  1. Foi-me dado um caniço semelhante a uma vara, e também me foi dito: Dispõe-te e mede o santuário de Deus, o seu altar e os que naquele adoram;
  2. mas deixa de parte o átrio exterior do santuário e não o meças, porque foi ele dado aos gentios; estes, por quarenta e dois meses, calcarão aos pés a cidade santa.
  3. Darei às minhas duas testemunhas que profetizem por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de pano de saco.
  4. São estas as duas oliveiras e os dois candeeiros que se acham em pé diante do Senhor da terra.
  5. Se alguém pretende causar-lhes dano, sai fogo da sua boca e devora os inimigos; sim, se alguém pretender causar-lhes dano, certamente, deve morrer.
  6. Elas têm autoridade para fechar o céu, para que não chova durante os dias em que profetizarem. Têm autoridade também sobre as águas, para convertê-las em sangue, bem como para ferir a terra com toda sorte de flagelos, tantas vezes quantas quiserem.
  7. Quando tiverem, então, concluído o testemunho que devem dar, a besta que surge do abismo pelejará contra elas, e as vencerá, e matará,
  8. e o seu cadáver ficará estirado na praça da grande cidade que, espiritualmente, se chama Sodoma e Egito, onde também o seu Senhor foi crucificado.
  9. Então, muitos dentre os povos, tribos, línguas e nações contemplam os cadáveres das duas testemunhas, por três dias e meio, e não permitem que esses cadáveres sejam sepultados.
  10. Os que habitam sobre a terra se alegram por causa deles, realizarão festas e enviarão presentes uns aos outros, porquanto esses dois profetas atormentaram os que moram sobre a terra.
  11. Mas, depois dos três dias e meio, um espírito de vida, vindo da parte de Deus, neles penetrou, e eles se ergueram sobre os pés, e àqueles que os viram sobreveio grande medo;
  12. e as duas testemunhas ouviram grande voz vinda do céu, dizendo-lhes: Subi para aqui. E subiram ao céu numa nuvem, e os seus inimigos as contemplaram.
  13. Naquela hora, houve grande terremoto, e ruiu a décima parte da cidade, e morreram, nesse terremoto, sete mil pessoas, ao passo que as outras ficaram sobremodo aterrorizadas e deram glória ao Deus do céu.
  14. Passou o segundo ai. Eis que, sem demora, vem o terceiro ai.

O contexto de Apocalipse 11

Apocalipse 11 fala essencialmente da vida espiritual de Israel. Neste capítulo, Israel volta ao formato de adoração do Velho Testamento. Eles terão reconstruído outro templo templo judeu desconsiderando que Jesus seja o Verdadeiro Messias. Será um templo a ser profanado pelo anticristo. A reconstrução do templo judeu é um dos sinais do Final dos Tempos. Clique aqui para ler o artigo sobre este sinal.

É neste capítulo que também surgem duas testemunhas sobrenaturais que pregam a mensagem de Deus em plena Jerusalém. É mais uma impressionante demonstração do pleno interesse de Deus em salvar as almas durante período de Tribulação. Apesar da pregação das duas testemunhas e das 144 mil testemunhas judaicas, a maioria ainda rejeitará a oferta de Deus de salvação. Israel permanecerá incrédulo até que comece o período crítico de sua perseguição por parte do anticristo, mais concentrado na segunda metade dos sete anos de Tribulação.

Quem são as duas testemunhas? Sem dúvida, um ponto polêmico. Talvez uma das grandes perguntas que tem gerado mais e mais dúvidas, discussões e debates teológicos. Entretanto, a Bíblia nos dá pistas da provável identidade dessas duas testemunhas. É o que vamos expor a seguir. Vamos tomar o cuidado de nos concentrar somente no que a Bíblia nos mostra.

Veja também: As duas testemunhas

"Foi-me dado um caniço semelhante a uma vara, e também me foi dito: Dispõe-te e mede o santuário de Deus, o seu altar e os que naquele adoram; mas deixa de parte o átrio exterior do santuário e não o meças, porque foi ele dado aos gentios; estes, por quarenta e dois meses, calcarão aos pés a cidade santa."
Este trecho ainda não se refere às duas testemunhas, mas ao templo judeu que terá sido reconstruído no momento deste versículo. O fato de João receber a ordem para medir o templo é para se mostrar o quanto tal templo reconstruído é inaquedado, quando comparado às medidas originais do templo inspiradas por Deus e que haviam sido dadas a Salomão, na ocasião da construção do Primeiro Templo. A palavra "medir", no trecho "Dispõe-te e mede o santuário de Deus..." pode muito bem indicar que Israel será julgado por não ter aceitado Jesus como o Verdadeiro Messias.

"Darei às minhas duas testemunhas que profetizem por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de pano de saco. São estas as duas oliveiras e os dois candeeiros que se acham em pé diante do Senhor da terra."
Nesse versículo, claramente dois indivíduos são enviados por Deus à terra. Elas receberão poder de Deus para profetizar durante 1.260 dias, ou 42 meses, que constituem os três anos e meio iniciais do período de Tribulação. Clique aqui para ver a linha do tempo. Duas oliveiras e dois candeeiros são termos usados por Deus para evidenciar a pureza e obediência dessas duas testemunhas às ordens dadas pelo Pai em meio ao cenário de extrema opressão e incredulidade dos habitantes de Jerusalém nesse período.

"Se alguém pretende causar-lhes dano, sai fogo da sua boca e devora os inimigos; sim, se alguém pretender causar-lhes dano, certamente, deve morrer."
Deus também lhes deu poder para exterminar, com fogo expelido pela boca, a qualquer um que os impeça de pregar a Palavra durante os 1.260 dias estabelecidos conforme o verso anterior. Novamente e sempre considerando o contexto de Apocalipse 11, tudo ocorre durante o período em que o anticristo assume o poder. Obviamente, essas duas testemunhas despertarão o mais profundo ódio por parte do diabo e do anticristo, porque em Apocalipse 11:7 as duas são finalmente mortas. Entretanto, antes de completarem os 1.260 dias, elas adquirem imunidade sobrenatural vinda de Deus para prevalecer em meio a qualquer ataque inimigo.

É importante mencionar que todo esse poder dado às duas testemunhas tem o objetivo de confrontar o poder do anticristo.

"Elas têm autoridade para fechar o céu, para que não chova durante os dias em que profetizarem. Têm autoridade também sobre as águas, para convertê-las em sangue, bem como para ferir a terra com toda sorte de flagelos, tantas vezes quantas quiserem."
Deus também lhes deu poder para exterminar, com fogo expelido pela boca, a qualquer um que os impeça de pregar a Palavra durante os 1.260 dias estabelecidos conforme o verso anterior. Novamente e sempre considerando o contexto de Apocalipse 11, tudo ocorre durante o período em que o anticristo assume o poder. Obviamente, essas duas testemunhas despertarão o mais profundo ódio por parte do diabo e do anticristo, porque em Apocalipse 11:7 as duas são finalmente mortas.

Quem são as duas testemunhas?

É a grande questão, e apenas sugestões de identidade das duas podem ser especuladas, mesmo porque Deus escolheu não revelar o nome delas em Apocalipse 11. As possíveis sugestões de identidade seriam:

  • Elias e Enoque
  • Elias e João Batista
  • Elias e Moisés

Malaquias 4:5-6 prediz que Elias viria "...antes que venha o grande e terrível Dia do SENHOR". Também vemos que o uso do fogo no Velho Testamento estava limitado a Elias. Ele invocou fogo para consumir o altar nos dias de Acabe (1 Reis 18:20-40). Elias também fez com que não chovesse sobre a terra por três anos. Portanto, Elias tem alta probabilidade de ser uma das testemunhas.

Sobre a segunda testemunha, João Batista não demonstrou o mesmo poder de Elias, e ele mesmo declarou não ser Elias em João 1:21. Portanto, João Batista não parece ter características de ser uma das duas testemunhas.

Existem apenas duas boas razões para se sugerir que Enoque seja uma das duas testemunhas:

  1. Enoque não morreu. Hebreus 9:27 diz que "...aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo."
  2. Em Judas 14-15, existe a profecia de Enoque dizendo que "veio o Senhor entre suas santas miríades, para exercer juízo contra todos e para fazer convictos todos os ímpios..."

Entretanto, há razões suficientes para se eliminar a possibilidade de ser Enoque uma das testemunhas:

  1. Enoque era gentio e viveu centenas de anos antes de Abraão. Portanto, não existe nenhuma identificação de Enoque com Israel
  2. O fato de Elias e Enoque não terem experimentado a morte não pode ser considerado suficiente para concluir que Enoque seja uma das testemunhas. Todos os crentes que estiverem vivendo no momento do Arrebatamento também serão exceções a Hebreus 9:27, porque serão arrebatados sem também experimentar a morte (1 Tessalonicenses 4:13-18). 
  3. De acordo com Hebreus 11:5, o propósito da translação de Enoque era para que ele não experimentasse a morte. No entanto, Apocalipse 11:3-14 demonstra que as duas testemunhas experimentarão a morte.

Por tais razões, é possível descartar que Enoque seja uma das testemunhas. Por outro lado, existem boas razões bíblicas para se crer que Moisés seja uma delas:

  1. Em Mateus 17:1-5, no momento da transfiguração de Jesus, os dois representantes do Velho Testamento que estavam ali eram justamente Moisés e Elias
  2. Moisés teve o poder de trazer pragas sobre a terra e também de transformar água em sangue, nos dias de Faraó. Elias, por sua vez, teve o poder de invocar fogo dos céus e de fazer parar de chover
  3. Moisés é parte importantíssima da vida do povo judeu. A ligação de Moisés a Israel é, portanto, total.

Por tudo acima explicado, a probabilidade de que as testemunhas sejam Moisés e Elias é maior.

"Quando tiverem, então, concluído o testemunho que devem dar, a besta que surge do abismo pelejará contra elas, e as vencerá, e matará..."
As duas testemunhas possuem tarefa específica. Conforme dito em Apocalipse 11:3, elas profetizarão, ou seja, falarão e alertarão sobre eventos futuros. Novamente precisamos sempre nos lembrar do cenário em que elas aparecem: na primeira metade da Tribulação, onde muitos que não foram arrebatados estarão depositando a confiança no anticristo. Em outras palavras, as duas testemunhas vão se opor aos desejos de domínio de Satanás e seu anticristo nesse período.

Malaquias 4:6 afirma que Elias voltará para converter "o coração dos pais aos filhos e o coração dos filhos a seus pais...". Parece algo normal em nossa época, mas temos que lembrar que Apocalipse 11 ocorrerá durante a Tribulação, em que haverá, na terra três tipos de pessoas:

  1. Seguidores declarados do anticristo
  2. Os santos da Tribulação (que receberam o Senhor Jesus pela fé durante esse período)
  3. Os indecisos, que mesmo após o Arrebatamento, estão entre seguir a Jesus ou o anticristo

Durante a Tribulação, o anticristo estará enganando pessoas, colocando pais contra filhos e vice-versa. Portanto, essas duas testemunhas ajudarão as pessoas desse período a não se enganarem pelas artimanhas do anticristo. Tudo isso é clara indicação de que as duas testemunhas pregarão o Evangelho de Jesus Cristo nesses dias. É provável que elas ajam somente na região de Jerusalém, enquanto que as 144.000 testemunhas judaicas agirão no resto do planeta.

Isso, sem dúvida, despertará a fúria do anticristo. No entanto, o mais interessante é que as duas testemunhas "concluirão o testemunho", ou seja, completarão a tarefa para a qual Deus as designou e somente depois de cumprido o objetivo, Deus permitirá que o anticristo as mate. Em outras palavras, por 1.260 dias, ou aproximadamente três anos e meio, qualquer tentativa do anticristo em eliminar as duas testemunhas não terá êxito. O anticristo terá que suportar duas testemunhas atrapalhando seus planos diabólicos por 1.260 dias sem poder reagir.

Aqui em Apocalipse 11:7, cabe uma explicação: a "besta que surge do abismo" é uma referência ao anticristo. A palavra "besta" aparece pela primeira vez no livro de Apocalipse aqui nesse versículo e faz referência a Apocalipse 13:1-7, episódio em que Satanás simula uma "ressurreição" do anticristo justamente no fim da primeira metade da Tribulação - período que coincide com o êxito do anticristo em conseguir matar as duas testemunhas. Clique aqui para saber mais sobre a morte e "falsa ressurreição" do anticristo.

"...e o seu cadáver ficará estirado na praça da grande cidade que, espiritualmente, se chama Sodoma e Egito, onde também o seu Senhor foi crucificado."
Nesse versículo veremos a total degeneração do ser humano, durante o governo do anticristo. Os corpos das duas testemunhas ficarão expostos, como sinal da "façanha" alcançada pelo anticristo. Jerusalém (cidade onde o Senhor Jesus foi crucificado) estará tão degenerada espiritualmente naquele momento, que Deus a chamará de Sodoma e Egito. Sodoma representa a imoralidade, e Egito, o materialismo.

"Então, muitos dentre os povos, tribos, línguas e nações contemplam os cadáveres das duas testemunhas, por três dias e meio, e não permitem que esses cadáveres sejam sepultados. Os que habitam sobre a terra se alegram por causa deles, realizarão festas e enviarão presentes uns aos outros, porquanto esses dois profetas atormentaram os que moram sobre a terra."
A degeneração humana continua. A "façanha" do anticristo é exposta ao mundo como expressão de poder. O versículo sugere que meios modernos de mídia anunciarão ao mundo inteiro a aparente "vitória" do anticristo sobre as duas testemunhas. Tal divulgação ganha tanto destaque que os corpos das duas testemunhas ficarão expostos por três dias antes do sepultamento.

As pessoas, não contentes em apenas contemplar a "vitória" do anticristo, ainda transformam o momento em evento festivo, chegando ao cúmulo de até darem presentes uns aos outros em comemoração à morte das duas testemunhas, que serão consideradas como atormentadores dos habitantes da terra naquele período.

"Mas, depois dos três dias e meio, um espírito de vida, vindo da parte de Deus, neles penetrou, e eles se ergueram sobre os pés, e àqueles que os viram sobreveio grande medo; e as duas testemunhas ouviram grande voz vinda do céu, dizendo-lhes: Subi para aqui. E subiram ao céu numa nuvem, e os seus inimigos as contemplaram."
Entretanto, Deus responde às afrontas e começa a manifestar seu infinito poder após os três dias da morte das duas testemunhas, calando a boca do anticristo e seus seguidores. O mesmo Espírito Santo de Deus, que conhecemos e que ressuscitou Jesus, ressuscita agora as duas testemunhas diante de todos.

Esse trecho do texto bíblico sugere que todos ficarão apavorados ao observar tudo. Imagine todas as mídias mundiais transmitindo ao vivo tudo isso? Imagine o anticristo contemplando tudo isso sem poder fazer nada? Deus sabe realmente como impressionar e mostrar a todos quem Ele é!

As testemunhas, mortas há três dias, voltarão à vida, ficarão de pé diante de todos, ouvirão a voz de Deus para subirem até Ele, e subirão em uma nuvem diante de todos. O versículo não indica se os inimigos das testemunhas também ouvirão o "Subi para aqui" de Deus, mas que eles verão tudo e morrerão de medo!

"Naquela hora, houve grande terremoto, e ruiu a décima parte da cidade, e morreram, nesse terremoto, sete mil pessoas, ao passo que as outras ficaram sobremodo aterrorizadas e deram glória ao Deus do céu."
Como resposta à forma como as duas testemunhas foram recebidas em Jerusalém, Deus envia um grande terremoto a Jerusalém. Um décimo da cidade será destruída, com 7 mil baixas. O versículo afirma que, muitos que assistem a tudo isso, ficam tão atemorizados que começam a reconhecer que Deus é mais poderoso. Portanto, esse evento passa a ser o estopim para que muitos em Jerusalém se convertam ao Senhor Jesus.

"Passou o segundo ai. Eis que, sem demora, vem o terceiro ai."
O versículo 14 confirma a explicação acima e demonstra que esses acontecimentos armam o palco para outros eventos futuros durante a Tribulação.

 

Índice do Estudo do Livro de Apocalipse